01.07.2019

À conversa com Eng.º Guilherme Pinho e Silva

01.07.2019

À conversa com Eng.º Guilherme Pinho e Silva

‘A Brisa centra-se nas pessoas. Procuramos inovar em novas tecnologias e metodologias. Compete-me a gestão eficiente dos activos para se atingirem os objectivos de forma sustentável.’

Fale-nos um pouco do seu percurso profissional. Como chegou a Director do Departamento de Estruturas da BGI – Brisa Gestão de Infraestruturas?

Licenciei-me em Engenharia Civil, ramo de Estruturas, pelo Instituto Superior Técnico em 1985. Entrei nos quadros da BRISA em Janeiro de 1990, numa altura em que se tinha iniciado o grande desenvolvimento da rede rodoviária nacional. Inicialmente como Coordenador de Projectos de Estruturas (pontes e túneis para autoestradas), passei, em 1994, para a Fiscalização de Empreitadas de Construção. Desde 2006 fui responsável não só pela gestão de instalações e meios da Brisa como de diversos contractos de empreitada e respectiva direcção da fiscalização, culminando em empreendimentos de grande dimensão como o alargamento de 30 Km de autoestrada entre Santarém e Torres Novas, na A1, e a construção da Auto-Estrada do Baixo Tejo. Uma função relevante subjacente a toda a minha actividade foi a de representação dos clientes (BCR e AEBT) na implementação dos objectos dos contractos de construção e na fiscalização das correspondentes obras. Nesta medida, toda a minha actuação foi focada no cliente e na sua satisfação. Em 2017, com a entrada num novo ciclo de engenharia, onde se faz mais manutenção/conservação do património construído, fui escolhido pelo Conselho de Administração da BGI para Responsável do Departamento de Estruturas. Compete-me a gestão eficiente e integrada dos activos, com vista a se atingirem, de forma sustentável, os objectivos de negócio do Grupo Brisa, avaliando o estado dos activos para, depois, desenvolver as acções que conduzirão à intervenção nos mesmos.

A Brisa é uma empresa que tem vindo sempre a inovar. E o mundo da mobilidade está em constante mudança. Como descreveria a evolução da empresa nos últimos anos?

Pode afirmar-se que a inovação está no ADN da Brisa, havendo uma interligação entre as empresas do Grupo para uma constante evolução. Há uma colaboração interna activa, com o aporte das competências de muitos colaboradores do universo Brisa. No meu caso, posso referir o envolvimento em iniciativas inovadoras como por exemplo o projecto desenvolvido em 2013 para implementação de uma solução (pioneira nas autoestradas) de Car Pooling para a Área de Serviço de Oeiras, na A5, e ainda o estudo com vista à optimização de custos de operação em Áreas de Serviço, agregando-se a infraestrutura a um único lado da autoestrada (caso apresentado para a A. S. de Estremoz, na A6). Mais recentemente, colaborei no projecto de implementação do novo conceito de restauração e de serviço centrado nas pessoas, o Colibri Via Verde, onde se privilegia a comodidade, o conforto e o serviço de excelência. Actualmente procuramos, na BGI, inovar em termos de novas tecnologias e novas metodologias.

Neste momento a Brisa não vê as infraestruturas apenas como um canal que recebe veículos, mas centrou-se nas pessoas. Como é que se priorizam os investimentos?

A Brisa desde há muito se centra nas pessoas, quer nos seus colaboradores quer nos seus clientes. De facto, pelo compromisso em valorizar as pessoas, o emprego e a família como pilares da sua acção, a Brisa recebeu recentemente o certificado de Empresa Familiarmente Responsável. Os clientes, com as diversas iniciativas da empresa na área da mobilidade, da restauração e das infraestruturas, têm vindo a aceder a elevados padrões de serviço do sector rodoviário.
Em termos de infraestruturas rodoviárias, a gestão do risco e do custo associado a cada activo tem conduzido à devida priorização dos investimentos.

A Betar trabalha com a Brisa há mais de 35 anos. Em que medida é que tem contribuído para superar os desafios das vossas necessidades? É uma parceira a manter?

A Betar, e outras empresas relevantes do sector, têm há muito vindo a trabalhar connosco, contribuindo para o objectivo de excelência subjacente à actividade da Brisa. Relativamente à acção do Departamento de Estruturas da BGI, a Betar é, sem dúvida, uma empresa com competências elevadas não só no âmbito dos projectos como no âmbito da gestão de activos. Com tantos anos de sólida colaboração, a Betar é de facto uma parceira com quem queremos continuar a contar.

A qualidade das infraestruturas é também um factor chave na competitividade internacional e no crescimento económico. Quais são os principais desafios para o futuro?

O principal desafio hoje, e sempre é, a adequação às alterações comportamentais. Em termos de competitividade nas infraestruturas, a visão da Brisa é a de procurar o desenvolvimento tecnológico para a monitorização das infraestruturas. Por outro lado, as alterações climáticas continuarão na base de modificações com elevado potencial de impacto no sector da mobilidade, pelo que o factor ambiental verá o seu peso aumentado na equação para o sucesso na competitividade internacional e crescimento económico.

Esta entrevista é parte integrante da Revista Artes & Letras #110, de Julho/Agosto de 2019

Notícias & Entrevistas

01.04.2018

À conversa com Arq.ª Mafalda Neto Rebelo

‘Estamos numa época transitória, os preços estão uma loucura mas zonas que eram sombrias estão coloridas, outras nasceram do zero. Só tem de haver um equilíbrio’ Ler mais

01.02.2018

À conversa com Arq.º Manuel Aires Mateus

‘O cliente não desenha connosco mas nós desenhamos com a ambição dele, traduzindo a individualidade dele, e isso afasta-nos da banalidade da resposta’ Ler mais

01.06.2018

À conversa com Eng.º Elias Paulo

‘Moçambique está sólido e o seu grande ativo, que é a sua gente, está cada vez melhor, há cada vez melhores profissionais que vão catapultar o país para outros patamares’ Ler mais

Topo

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar a aceder a este website está a concordar com a utilização das mesmas. Para mais informações veja a nossa política de cookies.

Portugal 2020 / Compete 2020 / União Europeia - Fundo Europeu do Desenvolvimento Regional