01.12.2021

À conversa com Eng.º Samuel Muzime

01.12.2021

À conversa com Eng.º Samuel Muzime

'Os principais desafios dos CFM são: ser referência regional no transporte de carga a um preço competitivo e com segurança, ter infraestruturas com modernização contínua e pessoal bem treinado e motivado'

Pode contar-nos como começou o seu percurso profissional?

No final do ensino primário, os meus professores notaram certa habilidade natural para o desenho. Sem me consultarem, propuseram a minha candidatura à escola de artes visuais de Maputo. Quando me comunicaram, fiquei contrariado, contudo realizei as provas de verificação de habilidades nas artes visuais. Como solução para continuar a estudar numa situação em que eu concordasse, a escola enviou a minha candidatura a algumas escolas do ensino geral. Apenas havia vagas na escola industrial 1º de Maio, em Maputo, e só restavam algumas vagas no curso de mestre-de-obras. Foi assim, de uma maneira tortuosa, que começou a minha história na engenharia civil. Depois da licenciatura fiz cursos complementares entre os quais a Pós Graduação em Engenharia Ferroviária e a especialização em Engenharia Portuária.

Neste momento ocupa o cargo de Director de Projectos dos CFM – Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique.

Comecei como estagiário em 1995 e fui continuando os estudos, depois, já como trabalhador. Iniciei na Direcção de Engenharia e por força do trabalho fui transferido para a zona Sul, após cerca de 3 anos. No sul trabalhei pouco mais de 10 anos na área de via e obras, principalmente com edifícios, drenagem ferroviária e sistemas de abastecimento de água ao longo da rede ferroviária. Regressei à Direcção de Engenharia, onde estou até então. Conto com cerca de 27 anos de trabalho dentro dos CFM. A maior parte do tempo estive dedicado à elaboração de projectos, com ênfase para o cálculo estrutural, cálculos hidráulicos, e manutenção de infraestruturas. Em 2011, passei a coordenar a área de Portos, Pontes e Estruturas Especiais, que estava em criação. Foi esta área que coordenou os trabalhos de resgate das pontes da zona Sul, grandes intervenções nos portos de Pemba e Beira, e apoio no porto de Nacala, entre outros. Em 2017 assumi a posição de Director de Engenharia. Precisei de me ajustar para lidar com um grupo maior de colegas. Tinha que manter o clima de unidade na equipa. Precisei de saber mais em outras áreas como locomotivas, vagões e outros meios ferroviários. Tenho de estar sempre informado e preparado para lidar com os projectos de todos os ramos de engenharia do CFM e em todo o país.

Quer falar um pouco dos projectos que estão actualmente em curso e de como a intervenção dos CFM é importante na vida dos Moçambicanos?

Vários projectos estão em curso, em todas áreas no CFM. Vou agrupar e citar os mais importantes. Na Área Portuária: Reabilitação, expansão e modernização do porto de Nacala, o principal ponto para garantir o abastecimento e escoamento da produção da zona norte do país; Melhoria do porto de Pemba, que é o ponto de suporte logístico dos projectos de gás; Reabilitação de alguns cais do porto da Beira, incluindo a expansão do terminal de combustíveis. Na Área Ferrovia: Reabilitação da Linha de Machipanda para melhorar a conexão com o Zimbabwe e reforçar o transporte entre Manica e Sofala; Reabilitação do Ramal Mutarara- Vila Nova da Fronteira para reactivar a conexão com o Malawi; Duplicação da Linha de Ressano Garcia para reduzir o tempo de trânsito entre África do Sul e Maputo; Compra de equipamentos de manutenção pesada e de locomotivas, vagões e carruagens; Criação de uma rede para a comunicação ferroviária.

Quais considera que são os principais desafios e obstáculos?

Os principais desafios são: ser referência regional no transporte de carga a um preço competitivo e com segurança, manter as suas infraestruturas com modernização contínua, manter o seu pessoal bem treinado e motivado para continuar a produzir, continuar a reconstruir o país pós guerra. Quanto a obstáculos: no momento actual, face à COVID 19, o principal é a dificuldade em investir para alcançar os desafios referenciados. Existe ainda a questão dos fenómenos naturais, como ciclones, que destroem algumas infraestruturas; e a dificuldade de alguns países do interland em acompanhar o investimento em
infraestruturas de conexão.

Como é que a BETAR tem contribuído para o desenvolvimento dos vossos projectos?

A Betar foi a empresa que alertou para o perigo da fraca manutenção das obras de arte. No trabalho com a BETAR (projecto, fiscalização e assistência técnica), os CFM reconstruíram cerca de 10 obras de arte desde 2013 nas linhas de Ressano Garcia e Goba. O trabalho continua e já inclui a reabilitação do porto de Pemba e do cais TCC8 no porto da Beira. Como resultado já se transita em segurança nas duas linhas férreas referenciadas e as obras de arte passaram para 20 Ton/eixo.

Qual é a sua visão para o futuro?

Gostaria de ver os CFM cada vez mais renovados, a acompanhar a modernização e sobretudo, a catalogar com maior precisão os seus planos de investimento em infraestruturas. O investimento contínuo, em meios circulantes ferroviários, não deve ser colocado de lado. Ter uma equipa cada vez mais jovem seria um ganho importantíssimo para a renovação.

Esta entrevista é parte integrante da Revista Artes & Letras #136, de Dezembro de 2021

Notícias & Entrevistas

01.09.2014

À conversa com Arq.º Fernando Bagulho

Há um rally de aviões C130, sistematicamente ganho por portugueses da FAP, que tem meia dúzia destes aviões, competindo com tripulações de países que têm centenas. O mesmo direi dos arquitectos de uma terra onde nunca é possível o mais fácil e tudo é conseguido com esforço.’ Ler mais

01.07.2018

À conversa com Arq.º Paulo Pereira

“Seria muito importante o arquitecto paisagista ter uma voz mais activa e [deixasse de persistir] a ideia de que só vem a seguir ‘pôr as flores’” Ler mais

01.05.2014

À conversa com Arq.º Bernardo Pimentel

‘Este atelier funciona como futurologia do que vai acontecendo pelo mundo fora. As maquetas continuam a ser necessárias para os projectos e gostamos que nos tratem por artesãos.’ Ler mais

Topo

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar a aceder a este website está a concordar com a utilização das mesmas. Para mais informações veja a nossa política de cookies.

Portugal 2020 / Compete 2020 / União Europeia - Fundo Europeu do Desenvolvimento Regional