01.11.2020

À conversa com Arq.º Fernando Bagulho

01.11.2020

À conversa com Arq.º Fernando Bagulho

‘[É necessário resolver as] novas necessidades do habitar, (…) os desafios do teletrabalho. (…) Continuamos a ter, como paradigma da habitação urbana, modelos com mais de cem anos (…) que será necessário conjugar com a habitação utensílio, alternativa ao local de trabalho.’

Em 2014 deu uma primeira entrevista à Artes&Letras. O que mudou desde então?

Em 6 anos tudo mudou, mas o projecto de arquitectura mantém a mesma estrutura desde que o desenho é suporte para desenvolvimento das ideias arquitectónicas. Com a pandemia, passámos do esquisso a quatro ou seis mãos para o esquisso a dois ou três ratos (ou placas digitalizadoras); do vegetal e das costas do sobrescrito de correio para o ecrã partilhado (embora goste de usar o sobrescrito onde desenho com a mão esquerda, que fotografo e depois viaja para o ecrã. Faço-o com a mão esquerda que é mais cerebral e menos afeitada a maneirismos, como nos aconselhava o arq. Manuel Tainha).

Falámos da sua posição em relação ao RGEU, aos interesses imobiliários, aos erros de organismos do estado. Como descreve a situação actual?

Há oportunidades de mudança com as novas exigências regulamentares da UE (Eurocódigos) no projecto estrutural de novas edificações e de alteração do existente. Conforme então referi, o licenciamento é desleixado, em relação à delapidação estrutural das edificações, tornando-as menos aptas a resistir ao sismo, e centrado em conceitos vagos, como de “partido estético”, em desfavor de grandezas quantificáveis para tabela Excel. A preferência dos clientes por projectos de decoradores espelha o atraso em relação à cultura de projecto que urge alterar em muitas frentes. Nestas inclui-se a do financiamento bancário, no qual a qualidade e rigor do projecto ainda não são garantia para a operação a financiar. Nem as classes sociais com maior poder económico são sensíveis a isso. Veja-se os grandes envidraçados, na promoção de luxo, mesmo em zonas de ruído extremo. Será difícil encontrar um único que cumpra a lei do ruído. Em casas para seniores aconselho o uso de energia eléctrica em vez de gás. Esquecer um tacho ao lume tem riscos que não ocorrem na placa eléctrica, mas a lei do Estado impõe a existência de projecto de gás até em habitações que nunca o poderão usar.

O conceito de “arquitectura social” ficou-se pelo projecto SAAL ou tem havido preocupações ao longo dos anos?

A arquitectura participada pelos moradores, e os movimentos sociais reivindicativos do direito à habitação em solos urbanos qualificados, foi absorvida pela oferta de habitação social de produção e gestão municipal, que terá sempre que existir, mas não deve constituir via única para o acesso à habitação a famílias de baixos recursos. Há estratos sociais com capacidades e recursos (como referia o Decreto de criação do SAAL), que podem ser mobilizados para resolução das novas necessidades do habitar, enfrentando os novos desafios do teletrabalho. Não esqueçamos que continuamos a ter, como paradigma da habitação urbana, modelos com mais de cem anos, que abarcam as funções básicas do habitat (comer/estar/conviver/dormir), que será necessário conjugar com a habitação utensílio, alternativa ao local de trabalho. 

Como vê o futuro da gestão do Património Arquitectónico?

Preocupado com as consequências do teletrabalho, com cada um a fazer o seu melhor, escondido por trás do monitor e sem dispor do convívio de gerações, com acumulação e transmissão do saber e conhecimento. Estamos à porta da intervenção de programas de Inteligência Artificial, que fará o trabalho de análise de cumprimento de normas e regulamentos sem intervenção humana, com vantagem para quem administra, que passará a lidar com tabelas de desvios, em vez da subjectividade dos pareceres, e maior clareza e transparência das decisões para quem é administrado. A revisão do CCP, para admitir a escolha com base na qualidade e não no preço, e o regresso à cultura da boa formação de decisores públicos, que ponha fim ao medo, à indecisão e ao empurrar para a frente, juntamente com a refundação do sistema de Justiça, constituem os elementos chave para o sucesso das transformações da década que se inicia.

Assumindo que existe uma visão global da arquitectura e uma visão especializada das engenharias, como tem sido trabalhar com a BETAR?

Um engenheiro disse que nada pior do que a má engenharia, pois a má arquitectura ficará patente e à vista de todos, enquanto a má engenharia se esconde. Infelizmente, temos assistido à sua proliferação, com o princípio da responsabilidade técnica, deixando os serviços sem verificação nem escrutínio. Qualquer actividade humana só terá garantia de qualidade se for escrutinada. Assiste-se pelo país fora, em todas as áreas da engenharia – seja por ignorância dos privados, que ignoram a natureza e relevância dos serviços, seja pela inoperância dos organismos profissionais, que tutelam o exercício das profissões, seja pela natural endogamia das regiões e municípios – ao degradar continuado dos serviços, a que teremos de colocar ponto final. Deste quadro pessimista resulta que constitui, hoje em dia, um privilégio trabalhar lado a lado com equipas de engenheiros como a BETAR, que partilham uma cultura de projecto e de rigor do serviço a prestar, indispensável para um atelier artesanal de arquitectura como o nosso.

Esta entrevista é parte integrante da Revista Artes & Letras #124, de Novembro de 2020

Notícias & Entrevistas

01.11.2022

À conversa com Arqº Carlos Ribas

'Os princípios da sustentabilidade são os da arquitetura paisagista desde sempre [...] A circunstância nacional de termos profissões “especialísticas” que nada compreendem de território faz com que tenhamos uma crescente desumanização da paisagem e uma dinâmica muito forte de insustentabilidade' Ler mais

01.04.2012

À conversa com Arq.º Paulo David

‘Pode ser mais entusiasmante fazer uma casa para um amigo na minha localidade do que fazer uma torre na 5ª avenida em Nova Iorque para utilizadores desconhecidos’ Ler mais

01.06.2023

À conversa com Engº Pedro Araújo

'A sociedade está a mudar a uma velocidade vertiginosa [...] Todas estas mudanças impactam no setor das infraestruturas e mobilidade. Os desafios são grandes [...] por isso temos apostado na inovação, não só incremental, mas também disruptiva' Ler mais

Topo

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar a aceder a este website está a concordar com a utilização das mesmas. Para mais informações veja a nossa política de cookies.

Portugal 2020 / Compete 2020 / União Europeia - Fundo Europeu do Desenvolvimento Regional