01.10.2013

À conversa com Arq.ª Filipa Cardoso de Menezes e Arq.ª Catarina Assis Pacheco

01.10.2013

À conversa com Arq.ª Filipa Cardoso de Menezes e Arq.ª Catarina Assis Pacheco

‘A leitura do terreno é o ponto de partida, e é dessa interacção com o lugar e com as suas especificidades que surge o nosso trabalho.’

Em que altura do vosso percurso é que começaram a ponderar a Arquitetura Paisagista?

CAP – Tivemos um percurso diferente. Eu sempre achei que iria para agronomia e quando comecei a ponderar mesmo o que queria fazer percebi que tinha de ser alguma coisa ligada à terra e ao desenho. A arquitectura paisagista juntava as duas coisas.

FCM – Comecei por estudar na Escola de Belas Artes e acabei por mudar, atraiu-me a arquitectura paisagista por juntar a arquitectura e o desenho à natureza, e por lidar com sistemas vivos.

Como é que surgiu o vosso atelier?

CAP – Fizemos grande parte do curso juntas e, quando terminámos, continuámos a colaborar de uma maneira informal, acabando por estabelecer uma parceria regular, a partir de concursos e de projectos que foram surgindo. Foi um processo natural, sem grande planeamento. Com o tempo, o atelier acabou por gradualmente se consolidar.

Quais são as vossas principais referências?

FCM – Há um conjunto grande de referências que nos influenciam e que incluem não só obras projectadas de outros autores que nos inspiram mas igualmente paisagens, viagens, filmes, imagens e outras vivências que nos marcam e que vão sendo convocadas selectivamente, conforme as especificidades de cada projecto. Em Portugal, o Professor Ribeiro Telles é uma referência incontornável, mas temos excelentes arquitectos paisagistas que têm desenvolvido nas últimas décadas uma obra importante, abrindo caminho tanto por cá como lá fora.

CAP – Pouco depois de começarmos a trabalhar, ganhámos o concurso para a Residência da Embaixada de Portugal em Brasília e fomos ao Brasil nessa altura, onde visitámos várias obras do arquitecto paisagista Roberto Burle Marx. Já conhecíamos o trabalho dele, mas ver ao vivo e passear por esses jardins foi uma experiência muito marcante. E não foram só esses lugares, foi o Brasil em si, a sua natureza forte e pujante, onde a vegetação cresce desmesuradamente a um tempo que não é o nosso.

Quando pensamos em paisagem, pensamos na natureza. O arquitecto paisagista é a prova de que a paisagem é um elemento que pode ser construído?

FCM – Transformamos a paisagem mas estamos sempre a intervir sobre alguma coisa que já existe. A leitura e a apreciação do terreno é o ponto de partida, e é dessa interacção com o lugar e com as suas especificidades que surge o nosso trabalho. É sempre uma transformação de um território, de um sistema vivo.

CAP – Como dizia Burle Marx, o trabalho do arquitecto paisagista consiste em “transformar a natureza e a sua topografia para dar plenamente lugar à existência humana”.

E como é assistir à evolução dos vossos projectos?

FCM – A transformação de que falamos não acaba com a conclusão da obra. Um jardim ou um parque demora anos, décadas, a chegar ao seu estado pleno, num processo de evolução constante.

CAP – Às vezes há surpresas. Quando trabalhámos na Madeira, no projecto dos jardins da Estalagem Quinta da Casa Branca, apercebemo-nos claramente da diferença que há no crescimento da vegetação em relação ao continente. Voltámos lá pouco tempo depois da conclusão da obra e o jardim quase parecia sempre ter existido: a vegetação estava gigante!

A Arquitectura Paisagista é uma área em expansão? O trabalho dos portugueses neste campo tem vindo a ser reconhecido?

CAP – Estaria em expansão se não fosse este clima de recessão, naturalmente. A qualidade do espaço público já é uma preocupação das pessoas, começa a ser uma coisa que elas valorizam.

FCM – Temos ainda um longo caminho a percorrer, mas penso que temos avançado. Aliás, a Arquitectura Paisagista portuguesa está num excelente nível, em termos de qualidade de trabalho, assim como a Arquitectura. Não somos muitos arquitectos paisagistas em Portugal, mas acho que a qualidade está perfeitamente enquadrada nos parâmetros de outros países europeus.

Recordam-se de algum projecto onde, por algum tipo de exigência do cliente, tenha sido difícil equilibrar a estética e a funcionalidade?

CAP – Já nos pediram coisas difíceis de executar mas tentamos sempre que as expectativas do cliente sejam reflectidas em coisas razoáveis e equilibradas. O nosso trabalho passa por guiar as pessoas para aquilo que é mais acertado para um determinado espaço e, normalmente, conseguimos chegar a um consenso. Quando estamos a desenhar jardins particulares temos em conta aquilo que a pessoa imagina, é preciso gerir as expectativas. Em relação ao que não nos parece exequível, tentamos explicar o porquê e apresentar alternativas.

FCM – E isso também acontece em obras públicas. Houve um concurso que ganhámos, claramente, porque não fizemos tudo o que o dono de obra pretendia. Demonstrámos que uma parte da obra que era requerida não fazia sentido no programa. Fizemos uma abordagem crítica ao programa e foi por isso que vencemos o concurso.

Em que circunstâncias é que se costuma cruzar com a BETAR ?

CAP – Colaboramos desde os nossos primeiros projectos. Sempre que podemos, gostamos de trabalhar com a BETAR porque funcionamos bem em parceria e é sempre valorizador para o projecto. Muitas equipas já estão mais ou menos formadas, se as parcerias funcionam não há motivo para mudar, por isso o normal é cruzarmo-nos muitas vezes com a BETAR.

Esta entrevista é parte integrante da Revista Artes & Letras #46, de Outubro de 2013

Notícias & Entrevistas

01.03.2015

À conversa com o Arq.º Telmo Cruz e Arq.ª Maximina Almeida

‘Quando os arquitetos conseguem fazer bem o exercício de construir cidade, isso é um valor em si. Nós sentimo-nos muito bem na cidade.’ Ler mais

01.03.2021

À conversa com Arq.º Dunga Rebelo

'Trabalhar em Moçambique é estar envolvido em projectos estruturantes e poder ter impacto no desenvolvimento do país. As oportunidades mudam constantemente, obrigam a uma transformação, o que é muito aliciante' Ler mais

01.05.2011

À conversa com Arq.ª Cristina Salvador

‘A experiência no Namibe foi como chegar ao fundo da questão, àquilo que não se reveste de mais nada.’ Ler mais

Topo

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar a aceder a este website está a concordar com a utilização das mesmas. Para mais informações veja a nossa política de cookies.

Portugal 2020 / Compete 2020 / União Europeia - Fundo Europeu do Desenvolvimento Regional