01.05.2015

À conversa com o Arq.º Pedro Ferreira Pinto

01.05.2015

À conversa com o Arq.º Pedro Ferreira Pinto

‘Procuro uma arquitectura com uma vertente minimalista e sem excessos de austeridade que tenta responder aos desafios da sociedade. Tento introduzir uma ideia de simplicidade, elegância e cultura.’

Porque é que optou por tirar o curso no Porto? O que recorda desses tempos? E porque é que escolheu arquitectura?

Nasci no Porto mas vim muito novo para Lisboa. Tirei o curso no Porto porque o Arq. Carlos Ramos (pai) disse aos meus pais e a mim: “para aprenderes o que é a arquitectura vem conhecer a Escola do Porto.” Como tínhamos família no Porto foi fácil a adaptação mas difícil a integração. No primeiro ano, todos os fins-de-semana vinha a Lisboa… ao fim de dois anos vinha esporadicamente. Arquitectura porque tive a influência de um pai que desenhava fantasticamente bem e que, numa viagem Lisboa-Porto, parava nalguns locais e dizia: “saiam do carro e apreciem esta paisagem e este ar que não há na cidade”, ou abrandar junto a um portão de uma quinta e chamar a atenção para a proporção e seus detalhes. E também uma mãe, com educação inglesa e de rigor, que me deu a apetência para tentar intervir na vida profissional através do mundo da arquitectura com a escolha da alínea H aos 16 ou 17 anos.

Regressou a Lisboa para trabalhar. Que cidade encontrou?

Regressei a Lisboa após concluir o curso, em 1965, e após ter estagiado com o Arq. João Andresen, Prof. de Urbanismo da Escola do Porto. Tive a sorte de conhecer em Lisboa o Arq. José de Almada Negreiros, com quem fiz vários trabalhos, entre os quais o início do projecto do Colégio de São Miguel, em Fátima, que viria a ser o tema do meu trabalho C.O.D.A. (tese) defendido em 1968, com a colaboração do Eng. Ernesto Veiga de Oliveira, da BETAR. As duas Faculdades, Lisboa e Porto, tinham processos diferenciados de abordar o ensino da arquitectura. No Porto a escola funcionava como uma oficina, dispúnhamos de espaços bons para salas de aula/ateliers e os projectos eram obrigatoriamente executados nestes espaços. Em Lisboa trabalhava-se muito fora da escola e nos ateliers dos arquitectos (funcionalismo e influência das correntes da arquitectura europeia). Na altura do 25 de Abril, face à conjuntura social e política, o mercado de trabalho na área da arquitectura ficou muito limitado, tendo muitos ateliers fechado as portas. Era quase “politicamente incorrecto” falar-se de arquitectura. O que estava na ordem do dia era o planeamento.

As suas filhas trabalham consigo. Como funciona esta parceria?

As parcerias funcionam tal qual duas gerações diferentes: ambas as gerações têm razão, mas sempre se “engalfinham”, mantendo independência de soluções ou completando-se.

Fale-nos sobre a experiência no Brasil.

No Brasil sente-se uma liberdade de actuação e a dimensão do país é tal que cheguei a fazer trabalhos no Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília e Foz de Iguaçu, cidades a centenas ou milhares de quilómetros umas das outras, mas sempre com escritório no Rio; embora tivéssemos sócios em São Paulo nos empreendimentos turísticos. Tive sorte, ambientei-me bem e consegui realizar empreendimentos turísticos junto ao Guarujá, no litoral paulistano, e em Angra dos Reis.

O seu conceito de arquitectura está muito na base da ligação entre o homem e a natureza. Quais sãos os principais fundamentos ou características do seu trabalho?

Procuro uma arquitectura com uma vertente, de certo modo, minimalista e sem excessos de austeridade, mas ligando muito à relação interior/exterior e tentando, de qualquer modo, responder aos desafios da sociedade actual. Tenho procurado também introduzir sempre na arquitectura uma ideia de simplicidade, elegância e cultura.

Há algum projecto que considere especial? Porquê?

Considerei especial o projecto ganho em concurso para o Instituto de Comunicações de Portugal, ICP, em colaboração com o gabinete do Arq. Luís Casal Ribeiro, pela sua simplicidade e plasticidade da solução. Um projecto onde se optou por uma vertente mais tecnológica “vestindo” as fachadas principais e cobertura com painéis fotovoltaicos, contribuindo assim para uma optimização da eficiência energética do edifício (em 2001 seria um desafio). Considero ainda especiais duas outras obras que contaram com a colaboração do Eng. José Pedro Venâncio da Betar: a casa familiar na Comporta, pela forma como articula com o território e com a paisagem e se vive com a maior simplicidade; e a recuperação e ampliação da Av. Biarritz, no Monte do Estoril, moradia do princípio do Séc. XX, pela introdução de uma linguagem contemporânea (estrutura de ferro e vidro) adossada à construção existente. A estes projectos acrescentaria também as intervenções no domínio da reabilitação, que sempre foram apanágio deste gabinete e dos que o precederam, Arqui lll e JAPFP Arquitectos e Associados.

O que é que está a fazer actualmente?

Refiro fundamentalmente duas frentes de trabalho: no âmbito da arquitectura, os projectos para a Herdade da Comporta, dando continuidade à pesquisa de modelos de ambientes que têm vindo a ser propostos nos últimos dez anos; e no âmbito do urbanismo, o desenvolvimento de empreendimentos turísticos e reabilitação de áreas peri-urbanas de baixa densidade.

Quais são, no seu entender, as grandes responsabilidades da arquitectura para o futuro?

Estando a atravessar-se um período de revolução tecnológica, e pensando nos modelos de vida actual, ou nos que se podem perspectivar, diria que o grande esforço residirá agora (como dantes) na capacidade de antecipar as soluções para os desafios impostos pela sociedade, nomeadamente, os que se relacionam com o ambiente (no sentido da compatibilização da protecção dos recursos com o desenvolvimento e a evolução tecnológica); e a gestão do tempo (no sentido de um maior equilíbrio entre o tempo do trabalho e os tempos livres). Tudo isto, sem nunca perder a perspectiva de que, citando Marguerite Yourcenar, na obra “Memórias de Adriano”: construir “…é colaborar com a terra; é pôr numa paisagem uma marca que a transformará para sempre; é contribuir também para a lenta transformação que é a vida das cidades.” Reconstruir “…é colaborar com o tempo sob o seu aspecto de passado, apreender-lhe ou modificar-lhe o espírito, servir-lhe de muda para um mais longo futuro …”

Esta entrevista é parte integrante da Revista Artes & Letras #64, de Maio de 2015

Notícias & Entrevistas

01.09.2014

À conversa com Arq.º Fernando Bagulho

Há um rally de aviões C130, sistematicamente ganho por portugueses da FAP, que tem meia dúzia destes aviões, competindo com tripulações de países que têm centenas. O mesmo direi dos arquitectos de uma terra onde nunca é possível o mais fácil e tudo é conseguido com esforço.’ Ler mais

01.02.2022

À conversa com Marko Rosalline

'O design está ligado à personalidade, à voz, à definição daquilo que constitui e define uma marca. [...] Passa pelo equilíbrio de todas as ideias intangíveis associadas ao projeto, e pela forma como estas se compõem e existem no output [...] para atingir o máximo impacto, relevância e intemporalidade' Ler mais

01.11.2011

À conversa com Arq.º António Nunes de Almeida

‘Eu gosto de pensar arquitectura e desenvolver projectos. (…) Para mim a obra de arquitectura é uma escultura habitada.’ Ler mais

Topo

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar a aceder a este website está a concordar com a utilização das mesmas. Para mais informações veja a nossa política de cookies.

Portugal 2020 / Compete 2020 / União Europeia - Fundo Europeu do Desenvolvimento Regional