01.07.2023

À conversa com Arqº Guilherme Godinho

01.07.2023

À conversa com Arqº Guilherme Godinho

'É com grande alegria e entusiasmo que vemos o hábito [de tradição de proximidade às artes por parte de empresas] ser reinventado pela Betar; (...) acredito [que o Prémio José Mendonça] venha a ser um êxito e um marco futuro na vida cultural de Lisboa e do País'

Quem é Guilherme Godinho? Conte-nos a sua história e como descreve o seu percurso profissional.

O meu percurso profissional tem como base a arquitetura e a gestão urbanística, ocupando atualmente vários cargos em distintas empresas do setor imobiliário em Moçambique.

Que significado tem a arte para si? De onde vem a sua paixão pela arte contemporânea, tendo em conta que é colecionador?

A arte tem sido uma presença constante na minha vida; sempre gostei de museus, tendo estudado artes (história das artes), o que me permitiu estruturar o conhecimento e poder, mais tarde, começar a colecionar.

Fale-nos do projeto de colecionismo que criou, thegodinhocollection.

thegodinhocollection é um projeto que existe para combater a saudade, a distância e a frustração, que me permite uma contemplação diária e on-line das obras que fui adquirindo e que estruturei numa conta de Instagram com esse nome; é também um instrumento que tem permitido interações com artistas, colecionadores, amigos e curiosos, tornando-se numa ferramenta de comunicação muito expedita e eficaz.

Como recebeu o convite do Eng. Tiago Mendonça para ser comissário da primeira exposição organizada pela BETAR?

Lindamente; o Eng. Tiago Mendonça faz o favor de ser meu amigo há mais de uma década, temos alguns interesses comuns ao nível das artes, e em concreto no que diz respeito às artes plásticas, temos falado muito destes temas ao longo dos anos e surgiu a oportunidade no âmbito dos 50 anos da Betar; podemos chamar-lhe também a desculpa ideal para apresentar 15 jovens pintores portugueses com trabalhos muito diferentes.

O que acha deste tipo de iniciativas da BETAR? Uma empresa de engenharia civil com uma ligação tão forte à cultura não é comum…

Havia uma forte tradição de proximidade às artes por parte de empresas do setor imobiliário, essa relação foi-se perdendo e é com grande alegria e entusiasmo que vemos esse hábito ser reinventado pela Betar; esta exposição de homenagem ao fundador da empresa – o Eng. José Mendonça – inscreve-se numa iniciativa de novos patronos que importa promover.

Que critérios utilizou para a seleção dos 15 artistas que apresentam obras a concurso?

Os meus, ou seja: uma seleção criteriosa de artistas (pintores) under 33, com percursos distintos e com obras muito diversas, com o objetivo de termos 45 peças que possam que possam representar uma ampla panóplia da jovem pintura contemporânea nacional.

Considera que os jovens artistas têm o apoio que precisam para iniciar o seu percurso? Encontra muitas diferenças entre Portugal e Moçambique a esse respeito?

O início de uma carreira nunca será fácil e o início da carreira de artista inscreve-se nesse desafio.

Há alguns paralelismos entre Portugal e Moçambique, julgo que a formação e a prática servirão para reduzir essas eventuais diferenças.

Que perspetivas tem para a exposição?

Os objetivos são vários, estando desde já assegurado o compromisso da Betar de adquirir uma obra exposta a cada um dos cinco finalistas, participando cada um dos finalistas posteriormente numa residência na Guarda, com subsequente exposição e novo compromisso de compra de um quadro a cada um dos três vencedores.

Finalmente, institui-se o Prémio José Mendonça, que acredito venha a ser um êxito e um marco futuro na vida cultural de Lisboa e do País.

Esta entrevista é parte integrante da Revista Artes & Letras #154, de Julho de 2023 

Notícias & Entrevistas

01.01.2020

À conversa com Arq.º Alberto Caetano

‘Uma das coisas mais importantes para um arquitecto é […] ter uma noção da história da Arquitectura, porque se existe Corbusier, Mies e Siza, foi porque antes existiu Miguel Ângelo, Bramante e Borromini’ Ler mais

01.09.2015

À conversa com o Arq.º Paulo Cunha

‘Os gabinetes que conseguiram reestruturar-se poderão sair mais sólidos desta conjuntura. Os demais debatem-se em cima de um muro cada vez mais estreito.’ Ler mais

01.11.2015

À conversa com o Arq.º João Góis

‘Tento sempre refletir, nos projetos, a personalidade dos seus donos. Gerir as ansiedades e escolhas dos clientes. Não há melhor satisfação para um arquiteto que sentir que as pessoas vivem as suas casas.’ Ler mais

Topo

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar a aceder a este website está a concordar com a utilização das mesmas. Para mais informações veja a nossa política de cookies.

Portugal 2020 / Compete 2020 / União Europeia - Fundo Europeu do Desenvolvimento Regional