01.04.2021

À conversa com Arq.ª Helena Botelho

01.04.2021

À conversa com Arq.ª Helena Botelho

‘Existem momentos em que temos que pensar de que forma podemos contribuir para a nossa sociedade e profissão. [Na Ordem dos Arquitectos] temos uma visão crítica e a oportunidade de pôr em prática um conjunto de reflexões’

É arquitecta, professora e curadora. Vamos por partes: porque escolheu arquitectura? 

Em primeiro lugar gostaria de agradecer o vosso convite. É com muito gosto que partilho o meu percurso, que tem sido muito acompanhado pela Betar em particular pelo Eng. Miguel Villar, com quem gosto muito de trabalhar e tenho aprendido muito. Em relação à pergunta, foi um misto de várias coisas. Tenho imagens vagas de alguns projectos que marcaram a minha infância: O Liceu de Beja do Cristino da Silva, o Hospital de Beja do Chorão Ramalho, e em particular o clube dos oficiais do Keil do Amaral… Foram sítios que despertaram a minha atenção para a importância do espaço qualificado, o modo como a luz o transforma, as formas dos edifícios que desenham as cidades. Em criança passava horas a fazer maquetes de cartolina, inventando espaços para bonecas de papel. Lembro-me de ter feito uns testes psicotécnicos no secundário, que recomendavam o direito e a psicologia em primeiro e depois as artes. Fiquei meio baralhada. A minha mãe relembrou-me outro dia que eu tinha medo de não conseguir entrar em Arquitectura e que iria para engenharia civil. Mas ela disse que não deveria desistir dos meus sonhos. Conselhos sábios! Ainda hoje os meus colegas brincam comigo porque fui com a minha mãe fazer o exame de acesso à Universidade Lusíada.

Fale-nos um pouco do seu percurso e experiência.

Entrei para a faculdade em 1988 e no segundo ano tive a minha primeira experiência no atelier do António Teixeira Guerra que estava a contratar estudantes para fazer uma maquete para o Castelo do Crato. Foi uma experiência incrível, partilhada com a Gabriela Gonçalves e a Cristina Appleton. No quarto ano fizemos um trabalho sobre a Avenida da Liberdade e conheci o Pedro Vieira de Almeida que, passados uns meses, ligou-me para ir trabalhar com ele. Foi um Mestre. Era uma pessoa de uma inteligência rara. Com ele aprendi a desenhar e a ter sentido crítico. Quando terminei o curso trabalhei com o José Maria Assis. Fizemos uns desenhos enormes à mão para uma exposição em Itália do Gonçalo Byrne. Colaborei ainda com o Paulo David, o Carlos Lampreia e mais tarde com o Gonçalo Byrne. Na altura os irmãos Aires Mateus tinham o atelier dentro do atelier do Gonçalo Byrne e colaborei com eles em alguns projectos. Trabalhei no “Farol do Rato” durante quatro anos, onde aprendi a trabalhar em equipa, num atelier com uma grande estrutura e projectos muito diversificados. Saí para criar um pequeno atelier com a Gabriela Gonçalves. Mais tarde comecei a dar aulas e fui construindo o meu percurso em ateliers com amigos. Tive um atelier com o Carlos Nuno Fonseca e dois designers, o “Colectivo Rua da Rosa”, onde a partilha de ideias era fortíssima e multidisciplinar. Foi nessa altura que fiz o meu primeiro projecto público a solo, a Cruz Vermelha de Évora. Foi um ponto de viragem onde consolidei conhecimento e adquiri uma maior autonomia. Partilhei ainda atelier com o Jorge Vicente e depois com o Filipe Mónica, durante 8 anos, até me aventurar no projecto de criar o meu próprio atelier. Em 2015 aceitei o desafio do Tomaz Hipólito e mudei-me para Marvila, onde estou até hoje. O Tomaz, apesar da sua formação em arquitectura, é um artista visual e tem um espaço de ateliers para artistas.  Este encontro entre as diversas expressões artísticas é particularmente feliz porque há uma atmosfera aberta à experimentação e partilha de ideias.

Que projectos tem em curso?

Actualmente tenho bastante trabalho no atelier e uma equipa maravilhosa completamente disponível para aceitar novos desafios. Acabámos há dias um concurso para Itália. Estamos a fazer um trabalho com a Betar e é muito estimulante poder experimentar programas que nem sempre são possíveis com a encomenda normal. Estamos a fazer projectos de edifícios públicos, habitação e culturais.

O que representa para si leccionar?

Leccionar significar estar sempre actualizado. É uma espécie de exercício mental permanente. A escola é um sítio de experimentação e reflexão crítica. Dou aulas há 23 anos e não me imagino sem o fazer. O contacto com os mais novos permite-nos uma liberdade criativa, que inevitavelmente contagia o trabalho do atelier e o meu modo de fazer Arquitectura.

Está também muito focada na Ordem dos Arquitectos. Quais são os maiores aliciantes e dificuldades?

É um grande desafio e uma grande honra acompanhar o arq.º Gonçalo Byrne nesta missão. Existem momentos na vida em que temos que pensar de que forma podemos contribuir para uma melhoria da qualidade da nossa sociedade e da nossa profissão. A equipa que lidero, na secção regional de Lisboa e Vale do Tejo, é muito generosa, entusiasmada e com um forte sentido de missão. Somos arquitectos com uma visão crítica, que nos ajuda a propor soluções para os diversos problemas que a profissão tem: contribuir para a afirmação da comunidade, participando nos centros de decisão, na rede de instituições públicas e privadas, numa perspectiva solidária e construtiva; lutar por uma dignificação da profissão e melhorar a qualidade da arquitectura e das cidades. Temos a oportunidade de pôr em prática um conjunto de reflexões. Obviamente este trabalho também tem que ser feito com os engenheiros, porque os problemas e as soluções a todos dizem respeito.

E qual a visão para o futuro?

Eu tenho confiança no futuro. Sei que nem sempre é fácil, mas o curso de arquitectura dá-nos uma forma de ver o mundo muito particular, ferramentas para nos reinventarmos e a possibilidade de trabalhar noutras áreas. A título pessoal aguardo com alguma ansiedade o tempo em que possamos voltar a viajar.

Esta entrevista é parte integrante da Revista Artes & Letras #129, de Abril de 2021 

Notícias & Entrevistas

01.12.2013

À conversa com Arq.º Pedro Ravara e Arq.º Nuno Vidigal

‘A relação com os alunos é fascinante e fundamental para nos mantermos “up to date”. Eles são a nossa melhor revista da especialidade.’ Ler mais

01.07.2011

À conversa com Arq.º Frederico Valsassina

‘A arquitectura está intimamente ligada à maneira de ser da própria pessoa. Eu não conseguiria apresentar uma coisa que não sentisse, e mais, que não conseguisse habitar’ Ler mais

01.05.2011

À conversa com Arq.ª Cristina Salvador

‘A experiência no Namibe foi como chegar ao fundo da questão, àquilo que não se reveste de mais nada.’ Ler mais

Topo

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar a aceder a este website está a concordar com a utilização das mesmas. Para mais informações veja a nossa política de cookies.

Portugal 2020 / Compete 2020 / União Europeia - Fundo Europeu do Desenvolvimento Regional